Palop News, Noticias em Portugues no Reino Unido

  • Aumentar fonte
  • Tamanho normal
  • Diminuir fonte
Home Notícias gerais Notícias gerais Desmiolamento do sistema democratico europeu

Desmiolamento do sistema democratico europeu

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
O presidente Erdogan intrometeu-se na campanha eleitoral na Alemanha apelando aos cidadãos turcos a boicotarem as eleições. Imiscui-se, tradicionalmente, através das mesquitas e associações e, agora directamente, mediante recomendação pública à população turca na Alemanha a não votar nos partidos SPD, CDU e Verdes, porque, segundo ele, são “inimigos da Turquia”; abusa da Interpol com o mandato de captura ao escritor Dogan Akhanli. As eleições para o Parlamento Federal realizam-se a 24 de setembro.  
A Alemanha federal tem uma população de 82,2 milhões de habitantes e 61,8 milhões de eleitores e um parlamento com 631 deputados. 
Na Alemanha vivem 3,5 milhões de turcos (parte deles com a dupla nacionalidade); um milhão deles são eleitores na Alemanha; na actual legislatura o parlamento federal tem 32 deputados de origem turca.
Interesses da economia e de paz interior forçam a Alemanha a engolir em seco
A maneira como o presidente turco e seus ministros se têm comportado revela-se numa insolente ingerência, facilitada pelo facto de os imigrantes turcos terem, de facto, um estatuto privilegiado na Alemanha.
As associações e mesquitas turcas, na Alemanha, têm uma acção muito activa na politização da população turca e alemã. Inteligentemente, actuam de maneira a terem uma grande inserção nas administrações estatais locais e nas estruturas políticas locais e federais e de modo a poderem ter uma estratégia de poder eficiente. Enquanto imigrantes de países não muçulmanos se contentam mais com representações honorárias, eles são mais realistas e por isso com mais influência e visibilidade política.
O aparelho do Estado alemão está bem preparado para controlar o terrorismo islâmico, mas, devido ao complexo nazi e a uma certa ingenuidade popular natural, tem medo de exigir maior prontidão de integração à imigração: por isso o trabalho intercultural falhou assemelhando-se mais a um montão de cacos que funciona bem devido à riqueza económica do país e ao bom funcionamento do estado social! Mesmo assim a classe política estabelecida admira-se do surgir de grupos de protesto como Peguida etc.
Os imigrantes trazem com eles não só benefícios económicos e culturais, mas também problemas intraestatais e interculturais.
Nas passadas eleições para o referendo da remodelação da Constituição turca, no sentido de maior desdemocratização da Turquia, quase 50 por cento dos eleitores turcos residentes na Alemanha  votaram, com quase uma maioria de dois terços (63,1 %) em Recep Tayyip Erdogan. Nestas eleições tratava-se de decidir sobre uma mudança e Erdogan era o símbolo de uma alteração para um sistema autocrático.
Exportação de violência
Erdogan procura mobilizar energias criminosas contra o sistema democrático. Estados como a Turquia em vez de resolverem os problemas com decisões maioritárias aceites pelas minorias, apostam na violência. Erdogan já há muito tempo ataca as instituições, média, justiça e parlamento. 
Depois do apelo de Erdogan, desconhecidos mascarados praticaram ataques incendiários à carrinha do partido SPD e do carro da deputada Michelle Müntefering (presidente do grupo parlamentar tuco-alemão, (certamente ataques de motivação política). Também Gabriel, a esposa do Ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, recebeu ameaças telefónicas depois de ter alertado para a deterioração das relações entre Berlim e Ancara. O ministro dos negócios estrangeiro culpa o presidente turco pois “a maneira como o Sr. Erdogan faz, motiva alguns” e a "minha esposa está a ser ameaçada”.
A vice-presidente do SPD, Aydan Özoguz, em campanha eleitoral, diz” Eu noto uma incerteza incrível” entre a população turca. Certamente haverá grande abstenção da parte turca nas eleições para o Bundestag.
Várias organizações turcas na Alemanha funcionam como tentáculos do Estado turco e do regime de Erdogan (casos de espionagem praticada com a exigência de entrega de imigrantes turcos à Turquia ) e já chegam às escolas alemãs através de professores de turco e da colaboração de Ministérios da educação dos estados federados com a federação de associações e mesquitas turcas na Alemanha para a colocação de professores de islão (Ditib) nas escolas. 
A política de Erdogan na Turquia de esvaziamento da democracia e contra os curdos tem provocado o aumento de refugiados turcos na Alemanha; só em julho, segundo as estatísticas foram registados 620. 
Erdogan é um perigo para a democracia plural no próprio país e fora dele porque cerceia os direitos individuais, a liberdade de imprensa e o poder legislativo.  A EU produz medidas de boicote económico contra a Rússia que seria o seu parceiro natural e tolera o agir do autocrata turco que quer entrar na EU e já usufrui das firmas turcas na EU para se expandir noutros países europeus!
É paradoxal, mas consequente, a democracia ter de defender também os seus inimigos!
Os partidos alemães encontram-se numa situação delicada devido à sua dependência de muitos votantes turcos.
António da Cunha Duarte Justo

Data 16/10/2017
 

Comentar


Código de segurança
Actualizar


Page Peel Banner

Tradutor

Portuguese English French German Italian Spanish
Faixa publicitária
Faixa publicitária

JoomCategories for JoomGallery